sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Dona Luz Facica – 17 de novembro




Durante muitos anos, neste dia, 17 de novembro, tive registado na minha agenda um telefonema a fazer. A Dona Luz Facica, de seu nome Maria da Luz Rocha, celebrava o seu aniversário. Cumprido o ritual, com as saudações habituais, era certo e sabido que, uma semana depois, seria ela a telefonar-me com votos semelhantes, normalmente enriquecidos com expressões que despertassem em mim a importância e a necessidade de mais me aproximar de Jesus Cristo e da sua mensagem de Boa Nova para todo o universo.
A Dona Luz já faleceu e estará decerto no seio maternal de Deus, tranquilamente, revivendo e apreciando, em espírito, o fruto da sementeira de bem, de justiça e de caridade que espalhou na terra, em favor dos feridos da vida pelas injustiças dos homens. 
Recordo-a na sua simplicidade, no dom de se dar sem limites, na ternura contagiante com que lidava com todos, na coragem com que enfrentava os problemas dos que a rodeavam e dos que, de perto ou de longe, padeciam agruras e suportavam a custo a marginalização e a exclusão, quantas vezes das suas próprias famílias. 
Para ela, aqui lhe ofereço uma flor do meu jardim, com eterna saudade.

Fernando Martins

Sem comentários:

Sobre o Amor

 Fábrica das Ideias, antigo Centro Cultural da Gafanha da Nazaré Eu gosto do amor e gosto de amar. E também gosto de ser amado. O am...