Serrazes — Férias inesquecíveis

À espera da água para o banho
À descoberta da Pedra da Escrita
Conquista da Pedra da Escrita
No parque de campismo. Os nossos filhos com filhos de uma família de Coimbra
Por vezes perguntamo-nos por que razão ficamos presos uma vida inteira a certas terras e certas férias, mas a resposta, para nós, Fernando e Lita, está nesta foto de há décadas. E como esta há muitas outras.
Os nossos quatro filhos (Fernando, Pedro, Paulo e Aidinha, por ordem decrescente), no parque de Campismo de Serrazes, esperavam que o tanque, uma espécie de piscina, ficasse cheio de água para poderem nadar. O Paulo, que agora também é conhecido por João, e a Aida Isabel, a Aidinha, como ela exige que a tratemos, não tiveram paciência e saltaram para o tanque, ao que julgo de água gelada porque era proveniente de uma nascente. 
No verão talvez fosse aceitável. Posteriormente, e na hora certa, a água servia para regar a horta do Guarda Florestal, o qual, diga-se de passagem, fazia os seus negócios com os campistas, a quem fornecia hortaliças, coelhos, um ou outro frango, ovos e até fruta. 
Bons tempos em que pudemos viver em contacto direto com a natureza de ares renovados constantemente pela floresta verde. Perto, um ribeiro de águas transparentes permitia tomar banho para refrescar corpos e ideias. 
Aldeias típicas de ruas e ruelas estreitas, casas solarengas de famílias com raízes ancestrais, como os Malafaias, e, ainda, o monumento conhecido por Pedra da Escrita, desafiavam-nos para caminhadas frequentes.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Na eira do avô dos Ribaus

Dona Luz Facica nas minhas memórias

A Ponte da Cambeia