Chaves com muita história e boas memórias

Ponte Romana
Hoje, 1 de agosto, fui de abalada até Chaves. Sem livros nem desdobráveis turísticos. Memória ainda afinada para reviver tantos momentos agradáveis na companhia de amigos de sempre e para sempre. Ruas e ruelas, monumentos e rostos, conversas e encontros nos cafés e jardins da cidade. Ponte Romana a arrastar-nos para outras eras e outras gentes que por aqui se instalaram à volta do Tâmega, Torre de Menagem a impor respeito, termas a exigir visita. Pasteis de Chaves e Bola de Carne a fazerem crescer água na boca. A Bola da nossa amiga Nazaré Fernandes era sempre a melhor. Porquê? — perguntava eu. Segredo — respondia ela. 

De Chaves hei de falar mais à custa das minhas Memórias Soltas. 

Por hoje sugiro o que escrevi em 2005. Ver aqui

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Subsídios para a história das mulheres da Gafanha

Orlando Padinha e a antiga igreja da Gafanha do Carmo

Evocando o nascimento do nosso filho Pedro