Mensagens

O Ângelo Ribau também nasceu neste dia em 1937

Imagem
Há tempos, perguntaram-me o que é que mais me marcou quando estive doente e acamado durante a minha juventude. Respondi, sem hesitar, que, durante esse período da minha vida, fiquei a saber quem eram os meus grandes amigos, mas também quem eram os falsos amigos. Os falsos amigos procurei esquecê-los; os grandes amigos têm lugar muito especial nas minhas memórias e no meu coração.  Hoje, vou referir-me ao Ângelo Ribau Teixeira, porque nasceu no dia 17 de novembro de 1937 e porque me visitava todos os dias, Deixou-nos, prematuramente, em 11 de agosto de 2012. Digo prematuramente porque, numa lógica natural, poderia, como eu, estar no mundo terreno a saborear a vida, falando, lendo e escrevendo, concordando com o que eu publicava, mas também discordando com aquela franqueza que o caracterizava, sem papas na língua, o que me obrigava, por vezes, a reconstruir o meu pensamento a propósito de certos temas. O Ângelo foi desde muito cedo um apaixonado pela música, como os demais irmãos, mas…

Dona Luz Facica – 17 de novembro

Imagem
Durante muitos anos, neste dia, 17 de novembro, tive registado na minha agenda um telefonema a fazer. A Dona Luz Facica, de seu nome Maria da Luz Rocha, celebrava o seu aniversário. Cumprido o ritual, com as saudações habituais, era certo e sabido que, uma semana depois, seria ela a telefonar-me com votos semelhantes, normalmente enriquecidos com expressões que despertassem em mim a importância e a necessidade de mais me aproximar de Jesus Cristo e da sua mensagem de Boa Nova para todo o universo. A Dona Luz já faleceu e estará decerto no seio maternal de Deus, tranquilamente, revivendo e apreciando, em espírito, o fruto da sementeira de bem, de justiça e de caridade que espalhou na terra, em favor dos feridos da vida pelas injustiças dos homens.  Recordo-a na sua simplicidade, no dom de se dar sem limites, na ternura contagiante com que lidava com todos, na coragem com que enfrentava os problemas dos que a rodeavam e dos que, de perto ou de longe, padeciam agruras e suportavam a cus…

Orlando Padinha e a antiga igreja da Gafanha do Carmo

Imagem
Há tempo, visitei o meu parente e amigo Orlando Padinha e sua esposa Rosa Maria, durante a sua estada entre nós para umas férias merecidas e desejadas na sua terra-mãe. Como era de esperar das gentes das Gafanha, beneficiei de uma receção fraterna, marcada pela alegria do encontro que já não acontecia há anos. E a conversa prolongou-se sem muita pressa, apesar de eu ter compromissos inadiáveis horas depois. Evocámos os seus irmãos (Carlos, José Manuel e Conceição) e demais familiares, recordámos cenas do passado, sobretudo quando nossas mães, que eram primas direitas, se encontravam, ora na Gafanha da Nazaré ora na Gafanha do Carmo, e ainda falámos das nossas vidas e canseiras. Depois, foi a visita ao Cesário Apolinário, também parente e autêntico especialista em questões genealógicas que soube e aceitou partilhar comigo à volta do tronco comum. Mesmo acamado, espero que temporariamente, li no seu rosto a alegria de viver e o sentido profundo da descoberta dos nossos ancestrais.  Em …

Evocando o nascimento do nosso filho Pedro

Imagem
O nosso filho Pedro, de seu nome completo António Pedro Oliveira Martins, completa hoje, 17 de outubro, a bonita idade de 50 anos. Tal como o nosso primeiro filho, o Fernando, o Pedro nasceu no Hospital da Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, eram 5 horas. Madrugada alta. Foi uma noite sem sono e sem tempo para dormir, que a ansiedade era intensa. A Lita sofreu com o seu nascimento, mas a alegria de mais um filho, o segundo, tudo fez esquecer. No seu primeiro dia de vida, fora do aconchego com que a mãe o brindou durante nove meses, não chorou muito. Preferiu dormir tranquilamente, hábito que mantém ainda hoje. Recordo que, nesse dia, já noite, fomos levar um amigo, o João, à estação de Aveiro. A Lita ia ao meu lado no Citroen 2CV. Na velha estrada que ligava a Gafanha a Aveiro, ela percebeu que haviam rebentado as águas, sinal de que o menino (ou menina) bateu à porta para vir ao mundo. Apontei o carro para o hospital. A Lita entrou e foi imediatamente atendida pelas enfermeiras, q…

Estaleiros Mónica

Imagem
Os Estaleiros Mónica fazem parte indelével da história da Gafanha da Nazaré. Estabeleceram-se aqui, porém, antes da criação da freguesia, e há 60 anos comemoraram 70 anos de existência. Disso dá conta uma velha edição, cuja capa apresento aqui. Dentro há diversas mensagens, mas permitam-me que destaque a do então Bispo de Aveiro, o primeiro da restaurada Diocese de Aveiro, pela poesia muito típica do saudoso prelado aveirense.

Nota: Destaquei da foto original o texto para se ler melhor.

Recordações — Amizades para a vida

Imagem
Ao longo da vida criamos muitas amizades, algumas das quais crescem com o tempo, apesar das distâncias que nos separam uns dos outros. Uma dessas amizades, das tais que se consolidam com o decorrer dos anos, nasceu há décadas com uma família de Chaves, que viveu perto de nós, na Gafanha da Nazaré. Refiro-me aos meus amigos Nazaré e António Fernandes e aos seus filhos, Pedro, José Carlos e Vítor. Depois, o grupo alargou-se às noras e aos netos, Erika e Paula, Mariana, Alexandra, Rita e Francisco.  Quando o encontro, programado ou ocasional, acontece, experimentamos, naturalmente, uma renovada alegria. Este ano nada fazia prever o reencontro com a família flaviense. Não seria fácil uma estada no Algarve para gozo de férias naquela altura do mês de agosto, diziam-me. Mas eu, que acredito ou penso que acredito no sexto sentido, tinha cá um palpite de que tudo seria possível.  Um fim de tarde, quando deambulava pelo aldeamento, reparei que na casa dos nossos amigos havia janelas entreaber…

Para memória futura: Castelo de Montemor-o-Velho

Imagem
Visitei há dias [2007] o Castelo de Montemor-o-Velho, que se me ofereceu em muito bom estado de conservação. Já lá não ia há muitos anos, embora o visse de longe, muitas vezes, a desafiar-me. O Castelo de Montemor-o-Velho é a maior fortificação do Mondego e uma das maiores do País, tendo desempenhado um importante papel nas lutas pela conquista do território aos mouros.  Num dia destas férias de Verão em que lá estive, na semana passada, dia de calor abrasador que convidava à procura das sombras das muralhas, encontrei bastantes turistas que, tal como eu, liam com interessa as legendas explicativas dos cantos e recantos do castelo, todas elas cheias de ricas lições de história.  As partes mais antigas são as duas fortes torres junto à porta de Nossa Senhora do Rosário, do século XIII, e a base da Torre de Menagem, talvez da Alta Idade Média. Mas há mais motivos de cuidada atenção: Ruínas do Paço das Infantas, cuja construção se atribui a D. Urraca, séculos XI e XII; Porta da Peste; C…

A nossa Tita

Imagem
Estar no quintal, em dias de sol ou de chuva, é um dos prazeres que cultivo, como quem cultiva uma flor para desabrochar na Primavera. Olhar as árvores na hibernação, ver as plantas que nascem sem que alguém as tenha semeado, cheirar o verde ora viçoso ora mortiço da vegetação espontânea, experimentar o prazer de deitar a semente à terra e de ver as novidades, mais tarde, ferirem a crosta areenta e estrumada, tudo isto me encanta. Numa dessas tardes em que a contemplação me deixava voar ao sabor da maré que os ventos envolviam, a Tita surgiu apressada, como quem deseja chegar o mais depressa possível à meta que o seu instinto alimenta desde que nasceu. Passa por mim ostentando uma alegria inusitada e corre, corre, sem aparente explicação. Depois cheira tudo, em busca não sei de quê. Dou comigo a pensar que isso já nasceu com ela. Chama o companheiro Tótti, grita mesmo por ele, em jeito de quem quer alguém com quem possa partilhar a alegria de uma liberdade conquistada. Tótti dá-lhe o…

Outros tempos — Boas recordações de férias

Imagem
Sem muito sol e com aragem a propor abrigo, não faltaram hoje no parque que habitualmente atravesso famílias em piqueniques. O aconchego do arvoredo e as mantas estendidas convidaram quem estava, e muitos eram, a saborear os farnéis que de longe vislumbrei. E pela forma como eram degustados, sem pressas e sem complexos, posso garantir que estavam apetitosos. Depois, seguiu-se a soneca dos mais pesados e a bola dos mais miúdos. Tanto bastou para eu recuar uns bons 40 anos, quando, com a família, bem unida e concordante, fazia o mesmo, quer na mata da Torreira e S. Jacinto, quer entre a Costa Nova e a Vagueira. Não era pela poupança, embora fosse compreensível ter em conta essa vertente. Bons tempos. Preparado o farnel, à medida das idades e dos apetites, preparada a trouxa do indispensável, que as comodidades exigiam, tudo arrumado no carro, sem espaço para mais nada, lá seguíamos na procura do lugar ideal, onde não incomodássemos nem fôssemos incomodados, que de vizinhos desconhecido…

Evocando o Dr. Ribau falecido quase há 10 anos

Imagem
Confesso que às vezes me comovo (Será da idade?) com mensagens que recebo e palavras amigas que me honram. Hoje, depois de um tempo de descanso, abri o computador e leio de imediato  uma mensagem que me havia sido dirigida pouco tempo antes, referente a um texto que publiquei sobre o Dr. Ribau, falecido em 22 de Dezembro de 2008. Quem a assinou foi Filipa R. Nunes. Diz assim:
«Ao fim de tantos anos encontro algo tão bonito como essas palavras que foram proferidas, acerca de um Homem que me orgulho e tive o prazer de lidar. Esta pessoa magnifica que foi e o seus feitos incontáveis. Salvou não uma vida, mas muitas e foram estes os gestos que o denominavam, que o caracterizavam. Já passaram quase 10 anos após esse acontecimento, mas hoje como  desejaria estar ao seu lado a ouvi-lo mais uma vez a contar as suas histórias, pois na altura não dei a atenção devida e agora sobram os seus manuscritos e a honra de ter feito parte da história e da vida deste Homem!!!! Obrigada a si, pelas palavr…