Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2016

Caldeira do Forte da Barra

Imagem
Sou deste tempo, sim senhor. Recordo perfeitamente a caldeira e o pavilhão para proteger algumas embarcações. Também recordo os trabalhadores que nas barcaças transportavam as lamas ou lodos que as dragas arrancavam do leito da laguna. Nas margens, cada trabalhador tinha de descarregar a barcaça à pazada. Corpos e roupas pretos ao jeito de quem mergulhava na lama. Trabalhos duros e sujos que a nossa juventude nem imagina.  Trabalhos de escravos em pleno século XX. 
Fonte: aqui

Conjunto - Guitarra e Fadistas

Imagem
De vez em quando saltam-me das gavetas da memória registos como este, provavelmente da década de 90 do século passado. E não resisto... Os irmãos Serafins, sempre eles, com Maria de Fátima e Maria Alzira. Do Manuel e do José Maria sei que a guitarra e a viola continuam afinadas. Das fadistas nada sei. Mas seria interessante que um dia destes se juntassem para uns fados e guitarradas.

Bons tempos

Imagem
Em que década?
Fotos tiradas de ângulos diferentes,
provavelmente no mesmo dia 


Bons tempos eram estes, representados por uma foto que andava por aqui perdida numa caixa. Bons tempo porque havia navios para a pesca do bacalhau e outros, oferecendo trabalho e pão para muita gente. Dava gosto sentir a azáfama para que o mais depressa possível tudo ficasse operacional para mais uma campanha de pesca nos mares frios da Terra Nova e da Gronelândia. Havia ausências, mas não faltava o pão para muitas famílias. Trabalhos duros de roer, é certo, mas os homens do mar eram corajosos.

Nossa Senhora Aparecida em Calvão, Chaves

Imagem
Há anos, as nossas férias mais gostosas eram vividas em Chaves, em casa de casal muito amigo, Maria Nazaré e António Fernandes. Chegámos a trocar as nossas casas. Nós íamos para Chaves e eles vinham para a Gafanha da Nazaré. Bons tempos, que recordo de vez em quando, direi melhor, com muita frequência. Normalmente, estas trocas aconteciam em agosto. Daqui saímos todos, eu, a Lita e os filhos, Fernando, Pedro, João Paulo e Aidinha. Se eu escrevesse Aida ela ia ficar já toda abespinhada. E eles vinham com os filhos Pedro, José Carlos e Vitor. Infelizmente, as memórias passam a registar tristezas. Já faleceu o António Fernandes e o José Carlos, na flor da vida. Continuam, porém, a encher a nossa alma. Permitam-me que recorde que a Maria Nazaré foi professora na Escola da Marinha Velha, de quem muitas alunas me falam com saudades desses tempos. Em Chaves passeávamos muito e hoje, quando remexia uma caixa de fotos, deparei-me com duas tiradas na Senhora Aparecida. Não tem a data, mas nota…