Etnográfico da Gafanha da Nazaré — O ti Retinto

O amor às tradições

O ti Retinto ao centro
Parece que ainda o estou a ver, já com os muitos anos de vida a marcarem-lhe o rosto. O senhor Manuel Retinto, mais conhecido por ti Retinto, estava ali, no palco do salão paroquial, a ouvir a conversa. Não falava mas estava atento e sempre de sorriso nos olhos. O pessoal queria saber o que é que se dançava e cantava antigamente. E o ti Retinto a ouvir… calado. 
Um do lado questiona-o:
— Ó ti Retinto, mas afinal como era? 
— Era a Farrapeira… 
E começou a dizer a letra… e a malta a repetir 
— E a dança?
— Querem ver?
Vai daí, chama a ti Maria Sarabanda e foi uma alegria ver aquela gente a dançar e a cantar a valer. O ti Retinto já era outro.
Num desses ensaios, que decorriam pela noite fora, o autor destas linhas ficou encarregado de levar o tio Retinto a sua casa. Reparou então que ele transpirava por todos os poros, tal foi o esforço despendido a cantar e a dançar.
— Será que este esforço e o suor não lhe vão fazer mal? — perguntei.
— Não pense nisso! — respondeu prontamente. E acrescentou: 
— Quando chegar a casa, com um bagaço, fico pronto para outro ensaio.

NOTA: 
Hoje, ao arrumar papelada para arranjar espaço, encontrei esta e outras fotografia. A que publico aqui tem o seguinte registo: «O Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré nasceu nesta festa da Catequese de 1980/81. Como cantador, que se vê ao centro, o Tio Retinto.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O meu professor do ensino primário

Na eira do avô dos Ribaus

Dona Luz Facica nas minhas memórias