Visita Pascal na Gafanha da Nazaré


Vídeo de Humberto Rocha 

Ausente da Gafanha da Nazaré na semana da Páscoa, não pude receber, como é da tradição, a Visita Pascal. Confesso que senti a falta do grupo que anuncia a alegria de Cristo Ressuscitado, razão de ser da nossa fé. A vida, no entanto, gera estas situações. Contudo, não deixei de pensar na tradição que se inculcou no meu espírito desde que passei a registar os acontecimentos e vivências na minha memória, já lá vão uns 70 anos.
Nos meus tempos de menino e durante décadas a Visita Pascal era presidida pelo próprio prior, acompanhado de alguns adultos. Um levava a Cruz enfeitada com Jesus crucificado, outro a caldeirinha de água benta e um terceiro um cesto de razoáveis dimensões para recolher os ovos do folar destinado ao pároco. Quando o cesto ficava cheio, os ovos eram deixados em casa de um freguês, que se encarregava de no dia seguinte os entregar na residência paroquial. Algumas famílias ofereciam uns bolinhos com um cálice de Vinho do Porto e na hora do almoço (antigamente dizia-se jantar) havia mesa posta para uma refeição festiva, tradição que se mantinha de ano para ano. 
A Visita demorava o domingo, de manhã à noite, e continuava na segunda-feira e no domingo de pascoela. Mais tarde recorria-se a padres não párocos, para tudo se fazer mais rapidamente. As famílias, maioritariamente, abriam a porta da sala, onde o pároco aspergia os presentes com água benta, abençoando as pessoas presentes. O acompanhante do cesto recolhia os ovos.
Nesses tempos, os párocos recebiam para seu sustento a côngrua, um contributo das famílias em géneros agrícolas ou dinheiro, neste caso se não fossem agricultores. E ainda o folar da Páscoa. Os ovos eram vendidos a comerciantes já habituados a essas operações.
Com o crescimento demográfico, tornou-se impossível ao pároco visitar toda a gente, pelo que nasceu a ideia de organizar grupos que levassem a Boa Nova da Ressurreição aos paroquianos. Tudo ficou mais fácil. E os ovos passaram a ser substituídos por uma importância pecuniária. Os grupos preparam uns cânticos e oferecem uma pagela com uma oração alusiva, que todos rezam com as pessoas da casa. As famílias costumam assinalar o gosto de receber a Visita Pascal com uns verdes que colocam junto à porta de entrada. 
Os tempos, porém, vão perdendo estas tradições. Os católicos, embora em maioria, já não estão tão vinculados a estes gestos festivos e há muitos indiferentes, de outras religiões, emigrantes e ainda ateus a quem os atos de culto não dizem nada, como se compreende.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Na eira do avô dos Ribaus

Dona Luz Facica nas minhas memórias

A Ponte da Cambeia