Conversas ao sabor da maré




A vida é um dom permanente, que nem sempre sabemos apreciar e valorizar. Raramente nos apercebemos disso, mas é dom por tudo quanto dela nos vem. 
Ausente uns dias, não muito longe, que viagens cansam, o regresso foi rápido, quase ao cair da noite. A habitual sensação do retorno ao sítio em que criei  raízes profundas e duradouras.
Manhã cedo, que os dias são mais curtos, o erguer foi imposto por visitas programadas. Aqui, nas ruas que me são familiares, encontrei em cada esquina uma voz próxima, uma saudação amiga. E ouvi histórias, e soube de gestos já natalinos, e compreendi projetos solidários, e cruzei-me com amigos de longa data.
A nossa terra é sempre a terra que nos realiza como pessoas de partilha de sentimentos e emoções, de trabalhos e canseiras, de lutas benfazejas, de alegrias mais sonoras, de gestos mais emotivos.
Com a passagem dos anos, fixo mais os rostos e sorrisos das pessoas do que os seus nomes. Por vezes é a voz que torna presente os nomes, normalmente acompanhados de histórias de vida comuns. E então, é por aí que revivo acontecimentos de décadas, quantas vezes de ações solidárias em prol da comunidade e de pessoas.
Embora mais dado ao aconchego da minha casa e nela aos meus recantos de leitura, escrita e música, prazeres que me enchem a alma e me inspiram a alegria de viver, começo, quiçá tardiamente, a valorizar os encontros ocasionais nas ruas da nossa terra. Vou tentar sair mais, na esperança de me enriquecer com as conversas ao sabor da maré.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Subsídios para a história das mulheres da Gafanha

Orlando Padinha e a antiga igreja da Gafanha do Carmo

Evocando o nascimento do nosso filho Pedro