Férias de antigamente

Recordações de A-dos-Ferreiros 



Durante uma férias em A-dos-Ferreiros, Préstimo, há uns 51 anos, com um casal amigo (Olívio e Virgínia), encontrei e guardei este seixo do rio Alfusqueiro. Outros fizeram-lhe companhia e estão por aqui como símbolos de agradáveis momentos passados naquela aldeia do concelho de Águeda.
Na altura, a ida para A-dos-Ferreiros não foi por acaso. O saudoso Padre Lé, que havia sido pároco do Préstimo e pessoa bem relacionada com uma família local, resolveu o problema e lá fomos, creio que um mês ou perto disso, para uma habitação nova de um casal comerciante em Águeda. Outros ares muito diferentes dos nossos, com tranquilidade quase absoluta. A casa não tinha energia elétrica nem água canalizada, luxos para o tempo. A água era de uma fonte particular a que tivemos acesso e a luz vinha de candeeiros e velas. Para o quarto de banho e cozinha,  havia que trabalhar acarretando o precioso líquido. Para a sanita, tínhamos a água da chuva, que era aproveitada por canejas que a recebiam do telhado, ficando armazenada num tanque de onde a tirávamos com um balde.
Os passeios eram frequentes para ficarmos a conhecer a terra. E o rio, de águas límpidas e temperadas, davam para refrescar. No fundo do leito acumulavam-se seixos roliços de tanto saltarem serra abaixo. 
O contacto com o mundo não era muito. Vizinho da casa, um sapateiro (Serafim?), cujo nome não consigo recordar, abria a sua oficina para nos acolher e para podermos ler o jornal, Penso que o JANEIRO, assinado por uns tantos cidadãos de A-dos-Ferreiros. Quando por lá passavam, iam dar uma olhado aos títulos, desporto e pouco mais. 
Conversávamos com toda a gente. Alguns até nos contavam os seus progressos na vida, compra de terrenos que faziam, projetos  em curso. Um brasileiro, decerto com alguns meios de fortuna porque não trabalhava, destacava-se pelos seus ataques à Igreja Católica. Dizia-se que havia recebido as influências dos republicanos que por lá teriam andado nos princípios do século XX... E o pároco, o Padre Abílio, não entrava em discussões. Homem pacato, rezava as missas para pouca gente e criava frangos para sobreviver. 
Por hoje fico-me por aqui... Talvez volte outro dia.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Subsídios para a história das mulheres da Gafanha

Orlando Padinha e a antiga igreja da Gafanha do Carmo

Evocando o nascimento do nosso filho Pedro