Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2015

Obra da Providência — Padre Vidal

Imagem
O encontro de Maria da Luz Rocha com o Padre Vidal, referido anteriormente, em data imprecisa de 1955, foi providencial. O Padre António Henriques Vidal, com os seus conhecimentos de iniciativas semelhantes e com a preocupação radical de levar à prática a Boa Nova de Jesus Cristo, abriu portas, sugeriu caminhos, procurou contactos e ajudou com indiscutível entusiasmo a obra nascente. Em boa hora, pois, se deslocou Maria da Luz a Aveiro, não apenas para passar pela Livraria Católica, mas também. Tinha por hábito fazer compras na cidade dos canais e na livraria procurava obras de formação cristã, para si e para emprestar a pessoas amigas. Agora, para se documentar sobre a melhor maneira de apoiar as raparigas e mulheres que estavam a ser encaminhadas para uma vida nova.

GAFANHA — Deserto enorme de areias soltas

Imagem
«[A Gafanha] Era um lençol desolador de areia branca, de dúzias de quilómetros quadrados, que os braços da laguna debruavam a norte, a leste e a poente, isolando do contacto da vida a solidão árida do deserto. Lá dentro, longe das vistas, bailavam as dunas, ao capricho dos ventos, a dança infindável da mobilidade selvagem dos elementos em liberdade. Brisas do mar e brisas da terra, ventos duráveis do norte em dias de estabilidade barométrica, e rajadas violentas de sudoeste a remoinharem no céu enfarruscado de noites tempestuosas, eram quem governava o perfil das areias movediças cavadas em sulcos e erguidas em dunas de ladeiras socalcadas a miudinho. Era assim a Gafanha do tempo dos nossos bisavós: deserto enorme de areia solta, a bailar, ao capricho dos ventos, o cancan selvagem de uma liberdade sem limites. Um dia, não longe ainda, um homem atravessou a fita isoladora da Ria e pôs pé na areia indomável. Não sabe a gente se o arrastava a coragem do aventureiro, se o desespero do fo…

Protestantismo na Gafanha da Nazaré

Imagem
Manuel Vilarinho foi pioneiro entre nós
Na década de 40 do século passado, por iniciativa de Manuel Maria Fidalgo Vilarinho, as ideias evangélicas relacionadas com correntes cristãs desligadas da Igreja católica, mais conhecidas por protestantes, entraram na Gafanha da Nazaré de forma mais sistemática. Graças à militância dos seus membros, depressa ganharam expressão entre algumas famílias até aí católicas, vindo a construir um templo que ficou concluído na década seguinte e que se mantém. Manuel Vilarinho foi catequizado por Arlindo Tavares, de Aveiro, também ele dinâmico obreiro do protestantismo. Porém, o nosso conterrâneo não ficou enquadrado por qualquer grupo protestante, porque entendia que Jesus Cristo não fundou nenhuma Igreja. Estando assim desalinhado durante alguns anos, aquando da construção do templo sentiu-se “obrigado”, por razões legais, a entregar a sua administração à Igreja dos Irmãos.

13 de maio pela rádio em casa do senhor João Catraio

Imagem
Teria os meus seis anos quando vi e ouvi, pela primeira vez, um rádio. Na altura chamavam-lhe telefonia. Foi na casa do tio João Catraio. Num dia 13 de Maio, para ouvir as cerimónias de Fátima. Mulheres e filhos sentados no chão, numa sala onde a telefonia era rainha, ali se ouvia o que decorria no Santuário de Fátima, com a missa celebrada em latim. Um padre fazia os comentários e um locutor, como então se dizia, dava explicações do que estava a acontecer. O tio João, sentado ao lado do rádio, de quando em vez acertava a sintonia. Pelos vistos, as ondas sonoras desviavam-se do aparelho e era preciso estar atento, para não se perder pitada do que lá longe se celebrava.  Na sala, ao lado das pessoas sentadas no chão, estavam a mulher Carolina e as filhas, Maria e Clementina (gémeas), estas mais atentas ao que se passava e à espera de quem viesse para ouvir a transmissão daquele santuário.

Considerações sobre o Natal

Imagem
Encontro
Numa antecipação marcada pela vivência natalícia de décadas, felizmente sempre no seio da família, é saboroso perspetivar o NATAL  com muito de bom que há-de ficar na história pessoal de cada um. O encontro adivinhado na casa-mãe, com todos os membros da família a partilharem as alegrias próprias da quadra, onde os desejos de uma felicidade abençoada pelo Menino-Deus se pressente nos olhares de todos, é sinal de que tudo se conjuga para se reforçar o laço da ternura que almejamos.
Aperitivos
Na hora dos aperitivos lá estão, efusivos, os cumprimentos afetuosos, como se não nos víssemos há muito tempo. Uma ou outra queixita, mais dos menos jovens,  gestos carinhosos dos mais sensíveis, palavras amigas de circunstância, uma ou outra recordação de tempos idos, um olhar ternurento para o Presépio que vem dos avós. Ao lado, para os lados da cozinha, atarefados, lá está quem assumiu os preparativos finais por que todos esperam: mesa posta, pratos tradicionais, tudo enfeitado por dec…