PIQUENIQUES DOUTROS TEMPOS


Sem muito sol e com aragem a propor abrigo, não faltaram no parque que habitualmente atravesso famílias em piqueniques. O aconchego do arvoredo e as mantas estendidas convidaram quem estava, e muitos eram, a saborear os farnéis que de longe vislumbrei. E pela forma como eram degustados, sem pressas e sem complexos, posso garantir que estavam apetitosos. Depois, seguiu-se a soneca dos mais pesados e a bola dos mais miúdos. Tanto bastou para eu recuar uns bons 40 e tal anos, quando, com a família, bem unida e concordante, fazia o mesmo, quer na mata da Torreira e S. Jacinto, quer entre a Costa Nova e a Vagueira. Não era pela poupança, embora não fosse despiciendo pôr de lado essa vertente. Bons tempos.
Preparado o farnel, à medida das idades e dos apetites, preparada a trouxa do indispensável, que as comodidades exigiam, tudo arrumado no carro, sem espaço para mais nada, lá seguíamos à procura do lugar ideal, onde não incomodássemos nem fôssemos incomodados, que de vizinhos desconhecidos nunca se sabe o que pode surgir.


Com o cheirinho do mar e da ria, de mistura com o aroma dos pinheiros e arbustos, o que se comia, salgados, doces e frutas, sabia a banquete de festa, que nos obrigava, não raramente, a marcar novo piquenique, ainda no verão, sem frio nem chuva que incomodassem. E anos e anos foram passando, com a família a registar na memória momentos que perduram.
Depois da barriguinha composta, os mais velhos, com avós e tias que sabiam estórias vividas e repetidas vezes sem conta, nunca negaram a soneca. Os mais novos, esses não dispensavam a bola, mesmo quando mal podiam com ela.
Nunca faltaram ocasiões cheias de sonhos e de felicidade sentida e esperada, para o futuro que aí vinha apressado. "Agora, os mais novos ainda brincam com olhos atentos ao que faziam e como faziam; daqui a uns anitos como será?"  — era questão que me deixava calado...
Os anos passaram e os interesses multiplicaram-se. A vida trouxe novos hábitos e a idade reclamou comodidades, até aí sem peso para se imporem.
As formigas e os mosquitos provocavam alergias, as mantas não eram acolchoadas e o chão nada tinha de mesa que se visse, para além dos tachos, pratos e talheres. Os piqueniques tiveram o seu fim quase por completo, cá pelo nosso lado. Mas a saudade desses tempos, repletos de alegria, ainda me assalta, como boa recordação que não quero perder.

Fernando Martins

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O meu professor do ensino primário

Na eira do avô dos Ribaus

Dona Luz Facica nas minhas memórias